De onde nasce a canção?

Não lembro da primeira música que fiz, nem a idade, mas lembro de uma das minhas brincadeiras favoritas na infância. Minha irmã tinha um gravador de fita K7 onde eu fingia colocar a fita e o som que saía era reproduzido por uma espécie de “beat Box” feitos por mim. Quando me perguntavam – O que está tocando? Que banda é essa? Eu respondia

– São “os caras” – Já havia criado minha primeira banda imaginária…

O período que mais compus foi o terceiro ano do segundo grau, estudava no turno da noite, e  quando chegava da escola escrevia algo, não importava se ficava bom ou não , simplesmente colocava as idéias no papel, depois com o auxílio do violão eu “musicava” esses textos/poesias.

Muitas canções foram feitas assim, primeiro a letra, escrita como texto mesmo, sem preocupação com rimas, refrões e métrica.

Da onde nasce a canção?

Dizem que algumas são de parto normal e outras de cesariana. Mas falando sério, o modo mais comum, se é que posso dizer isso, é encontrar uma melodia, pode ser no seu instrumento: violão e piano são os melhores, mas pode ser apenas cantarolando: “lá ri lá lá ri lá…” e depois você escreve a letra em cima dessa melodia. Paul McCartney usa essa técnica.

Talvez você conheça essa história da bela canção dos Beatles “Yesterday“, Paul sonhou com a melodia, depois desconfiado de que ele já ouvira aquilo, mostrava para os amigos ao piano e lhes questionava:

Já ouviu? É alguma música que você conhece?

Os amigos diziam que não, mas que era muito bonita, então ele colocou um texto, uma letra em cima daquela melodia. Eu já ia esquecendo a parte mais engraçada dessa história. Para que ele não esquecesse a melodia, ele fez uma letra tipo “nonsense” só para não esquecer, foi algo como – Pense na melodia de Yesterday – “Acordeiiii… e agora não sei o que vou fazer, café , torrada eu não sei dizer… não sei dizer…é pra valer…”

É uma boa forma de compor.  Primeiro a melodia, depois o texto 🙂

Tem uma história do Milton Nascimento também, que veio uma melodia lindíssima na cabeça dele, e aí ele pegou um táxi para ir para casa o mais rápido possível para poder anotar a melodia e não esquecer mais (risos). Adivinha se o taxista não puxou o maior papo com o Milton, e sem querer estava atrapalhando ele, o Milton contou que passou por arrogante, não deu papo para o taxista, mas era para não esquecer a melodia (mais risos).
Para arrematar a situação ele pulou o muro de casa, e entrou o mais rápido possível para não deixar a canção ir embora… Infelizmente elas se vão, se você não anotar/escrever, gravar no celular, sei lá dá um jeito quando ela vier, porque depois meu amigo ela se vai…Talvez ela vá para o mesmo lugar onde se encontram as tampas de canetas, palhetas e recados anotados …

E nem São Longuinho pode te ajudar.

Gracias.